Notícias

07.06.2022

Raio-x faz mal à saúde?

São raras as pessoas que não conhecem os exames de raio-x, já que trata-se de um procedimento presente no cotidiano humano há mais de 100 anos. É através dele que podemos desenvolver um diagnóstico de corpos por imagens em tempo real, detectando fraturas e doenças, e, consequentemente, salvando vidas.

Apesar de tão útil e importante, a principal característica do raio-x é sua emissão de radioatividade, fato que causa preocupação em diversas pessoas. Afinal de contas, o raio-x realmente faz às pessoas?

Entenda o que é o raio-x

Conhecido também como radiografia, o raio-x é de fato uma forma de radiação, com o potencial de penetrar o nosso corpo se limitando até os ossos — por isso só vemos a estrutura óssea nos exames — e, com a ajuda de equipamentos específicos, pode resultar na famosa imagem que tantos conhecemos.

Descoberto por Wilhelm Röntgen, o raio-x foi usado em hospital semanas após o seu descobrimento, por um paciente que caiu enquanto realizava uma pintura, em 1896, chamado Eddie McCarthy.

Apesar de todos acharem que é apenas um exame, existem três tipos de raio-x, cada um com suas funcionalidades, com sua quantidade de radiação. Veja quais são elas:

Radiografia – é o tipo mais comum. Ele é utilizado para visualizar ossos quebrados, dentes e também o peito. Trata-se do tipo que usa menor quantidade de radioatividade.

Fluoroscopia – tipo que permite a realização do raio-x enquanto ocorre movimentos. É usado para observar e captar as atividades do intestino e, consequentemente, detectar anormalidades. Usa mais radiação que radiografia, mas ainda assim, uma baixa quantidade.

Tomografia computadorizada (TC) – categoria de raio-x que também é realizada em movimentos, porém, com um equipamento que permite que um grande número de imagens seja tirado em uma única vez, formando uma representação 3D. Por essa razão, usa a maior dose de radiação.

Raio-x e saúde: podemos ficar doentes?

Para a surpresa de muitos, mesmo se tratando de um exame tão comum, o raio-x é categorizado como carcinógeno pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A razão está no efeito de muitos exames de raio-x, que podem alterar o DNA humano, causando o câncer. Porém, os benefícios desse exame são maiores do que as consequências que possam surgir.

Pessoas com mais de 75 anos são mais propícias a desenvolver o câncer devido ao raio-x. Estudos mostram que o risco de desenvolver a doença aumenta de 0,6 a 1,8%, mas ainda assim, não valores mínimos comparados aos benefícios. Veja abaixo a relação de exames com a quantidade de radiação que recebemos diariamente:

  • Raio X da espinha lombar: equivale a 182 dias de radiação de fundo natural;
  • Raio X do crânio: equivale a 12 dias de radiação de fundo natural;
  • Raio X do tórax: equivale a 2,4 dias de radiação de fundo natural;
  • Tomografia computadorizada da cabeça: equivale a 243 dias de radiação de fundo natural;
  • Tomografia computadorizada do abdome: equivale a 2,7 anos de radiação de fundo natural;
  • Enema de bário: equivale a 2,7 anos de radiação de fundo natural;
  • Exame gastrointestinal superior: equivale a 2 anos de radiação de fundo natural;
  • Urograma IV: equivale a 1 ano de radiação de fundo natural.

Concluímos dizendo que o raio-x, apesar de aparentar fazer mal, não tem grande capacidade de trazer doenças. Caso busque um local seguro para realizar o seu exame, conte com a gente!

AGENDAR EXAME AGORA