Notícias

31.08.2020

Perguntas frequentes sobre o alzheimer

O alzheimer é a doença neurodegenerativa mais recorrente na espécie humana, afetando a memória, o comportamento e outras funções mentais progressivamente. No Brasil, é oferecido tratamento multidisciplinar integral e gratuito, além de medicamentos que ajudam a retardar a evolução dos sintomas, pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Entretanto, uma pessoa que sofre com esse transtorno necessita de cuidados em tempo integral, geralmente relacionados à alimentação, ao ambiente e à outros aspectos. Então, é comum que toda a família, até mesmo amigos, tenham dúvidas sobre o que fazer ou como se comportar. Por isso, separamos as perguntas mais frequentes para serem respondidas.

 

Quais são os primeiros sinais manifestados?

A primeira região do cérebro a ser afetada é o hipocampo, responsável pela memória e o aprendizado, dessa forma a formação de novas lembranças é comprometida. Além disso, podem surgir dificuldades para resolver problemas ou realizar atividades já familiares.

outros sinais aos quais é preciso estar atento como: o esquecimento de palavras, a desorientação no tempo e no espaço, a dificuldade de raciocínio e alterações frequentes do humor e do comportamento.

 

Deixá-los serem independentes ou não?

A resposta para essa pergunta depende de como a doença evoluiu e, portanto, muda a cada caso. De forma geral, no começo, quando os sintomas ainda não são tão graves, é recomendado que a pessoa siga com a sua rotina, dentro das limitações, tendo autonomia. Pode ser que, eventualmente, seja necessário auxiliá-la em alguns afazeres.

 

Como garantir o bem-estar de alguém com alzheimer?

A estimulação cognitiva (com jogos, desafios mentais, resgate de histórias), social (atividades em grupo, convívio familiar) e física (exercícios, caminhadas, dança) auxilia na manutenção de habilidades que podem ser prejudicadas com a doença. Além disso, compensar as dificuldades do dia a dia, realizando essas atividades ou sendo capaz de tomar decisões, melhora a autoestima e ajuda a manter a independência.

 

A alimentação deve ser diferenciada?

Uma vez que não há restrições associadas a outras doenças, a alimentação pode continuar a mesma. Entretanto, ter uma dieta balanceada, rica em gorduras consideradas “do bem” e em antioxidantes, mantém corpo e mente saudáveis. Apenas deve-se evitar o excesso de álcool, gordura saturada e açúcar.

AGENDAR EXAME AGORA