Notícias

06.07.2020

A música como aliada da nossa saúde

Considerada a primeira arte, a música faz parte da rotina de muita gente. A caminho de algum lugar, durante o expediente, enquanto lava a louça ou até mesmo na hora do banho, esses são apenas alguns dos momentos em que podemos aproveitar para ligar o som e curtir as melodias.

Mais do que entreter, ela é capaz de melhorar o nosso humor, concentração e raciocínio lógico. Além disso, alguns médicos estão usando a música como terapia, já que ela ativa o centro de prazer do cérebro, assim como o chocolate, e libera dopamina, que causa a sensação de bem-estar.

E não é atoa que, ao praticar alguma atividade física, sempre recorremos aos nossos fones de ouvido. A música induz ao movimento, o que torna mais fácil manter o ritmo do exercício além de motivar e alegrar – se estiver tocando uma música animada, é claro. Da mesma forma, sons mais graves e lentos ajudam a nos desligarmos das preocupações e, comprovadamente, facilitam o sono e combatem a insônia.

Há ainda diversos outros benefícios, uma vez que alivia dores de cabeça, melhora a qualidade de vida e até mesmo ajuda a tolerar o tratamento contra o câncer.

Para as mamães grávidas que adoram cantar para o seu bebê, saibam que a partir da 21ª semana de gestação eles já são capazes de ouvir e a música é capaz de acalmá-los. Além disso, é capaz de reduzir em até 10 dias a permanência de recém-nascidos prematuros na UTI neonatal.

Já no caso de crianças e adolescentes que possuem problemas emocionais, comportamentais e de desenvolvimento, um estudo realizado pela Queen’s University Belfast, na Irlanda do Norte, mostrou que a musicoterapia aliada a terapia tradicional ajuda a aumentar a autoestima, além da redução significativa da depressão. 

É como diz aquele velho ditado: quem canta seus males espanta.

AGENDAR EXAME AGORA