Notícias

09.07.2021

Entendendo a pirâmide alimentar

Em algum momento, você provavelmente ouviu falar sobre a pirâmide alimentar, ainda que não tenha entendido muito bem a sua importância. Acontece que essa não é apenas uma representação que divide os alimentos em grupos. Seu objetivo principal vai muito além, ao tentar garantir o bem-estar nutricional da população através da informação.

Assim, ela é dividida em quatro níveis e oito grupos alimentares, sendo que cada um possui porções recomendadas que devem ser consumidas diariamente. Entretanto, vale ressaltar que a quantidade pode variar de acordo com a necessidade individual. Dessa forma, a pirâmide alimentar auxilia as pessoas no planejamento das suas refeições, de maneira adequada e variada, para hábitos mais saudáveis.

Além disso, uma vez que é preciso levar em consideração diversos aspectos, como o contexto sociocultural e geográfico de cada indivíduo, as preferências e o padrão alimentar da população, existem diversos modelos, desenvolvidos especificamente para cada país. Assim, vamos entender um pouco mais sobre a versão brasileira e os seus níveis.

  • Nível 1

São os alimentos que estão no topo da pirâmide e que possuem alto valor calórico, por isso devem ser consumidos com moderação.  Nesse nível, estão o grupo dos doces e açúcares e o dos óleos e gorduras. O recomendado são duas porções por dia.

  • Nível 2

Aqui, estão os alimentos que são fontes de proteínas, e eles são divididos em três grupos: carnes e ovos, que devem ser consumidos 3 vezes ao dia, leites e derivados, e leguminosas, sendo recomendada apenas 1 porção diária.

  • Nível 3

No terceiro nível, encontram-se os grupos das frutas e das verduras e legumes, que fornecem vitaminas, minerais e fibras para o organismo, importante para a sua manutenção. O recomendado é que sejam consumidas até três porções de cada grupo.

  • Nível 4

Chegamos ao último nível, onde encontramos os alimentos ricos em carboidratos, como cereais, pães, raízes e tubérculos. Por estarem na base da pirâmide, devem ser consumidos em maiores quantidades, sendo o recomendado seis porções diárias.

E ainda, o Brasil também tem um “Guia Alimentar Para a População Brasileira“, criado pelo Ministério da Saúde e lançado em 2014, que orienta sobre qual tipo de alimento comer e como preparar refeições saudáveis, mesmo com os obstáculos do cotidiano. Entretanto, tão importante quanto realizar as 6 refeições diárias, é praticar atividades físicas por, pelo menos, 30 minutos todos os dias.

AGENDAR EXAME AGORA