Notícias

20.04.2020

Dores de cabeça constantes: o que fazer?

Pode parecer exagero ir para o pronto socorro por causa de uma “dorzinha”, mas essa é a queixa mais frequente nas Unidades de Pronto Atendimento (UPA) do Brasil. Pelo menos 63 milhões de brasileiros, de todas as idades, sofrem com dores de cabeça constantes por diferentes motivos.

A Universidade de Harvard, na cidade de Cambridge nos Estados Unidos, constatou, por meio de pesquisas, que a cefaleia é a quinta condição de saúde mais comum entre a população. Já deu para perceber que é coisa séria, né?

Quando falamos de cefaleias secundárias, as dores podem ser um alerta, uma vez que são sintomas de outras patologias, ou seja, vêm acompanhadas de alguma doença. Pode ser desde uma gripe, que é algo mais fácil de tratar, até quadros mais delicados, como o AVC e a meningite.

 

Quando procurar ajuda médica?

Se o uso de analgésicos não melhorar a dor ou se houver uma piora no quadro clínico, marque uma consulta médica, de preferência com um neurologista. E ainda, caso a dor ataque em intensidade ou frequência diferentes do que está acostumado e ainda apareçam outros sintomas, como:

  • Confusão ou dificuldade para entender a falar;
  • Desmaio;
  • Febre alta (maior que 39 graus);
  • Dormência, fraqueza ou paralisia de um lado do corpo;
  • Dificuldades para enxergar ou andar.

No caso de enxaquecas, o apropriado é fazer acompanhamento com um especialista, verificando a possibilidade de tomar remédios receitados para manter as crises sob controle e voltar a ter qualidade de vida.

Seja qual for a sua dor, é importante não subestimá-la.

AGENDAR EXAME AGORA